Cidades e transferência de conhecimento científico-tecnológico

dezembro 4, 2007

Reproduzo na íntegra (negrito meu):

“Unicamp e Associação Brasileira de Municípios firmam parceria para transferência de conhecimento científico-tecnológico A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a Associação Brasileira de Municípios (ABM) firmaram, no dia 30, uma parceria para desenvolver ações conjuntas com o objetivo de elevar competências administrativa, gerencial e tecnológica de municípios brasileiros. O acordo foi assinado, em Santa Maria (RS), durante o 1º Encontro de Cidades Integradas do Mercosul. Segundo informações da Unicamp, o convênio vai permitir a transferência de conhecimentos científico-tecnológicos nas diferentes áreas de conhecimento, por meio de projetos de pesquisa, consultorias, assistência técnica e cursos de extensão.

Carta das cidades

A reunião dos municípios sobre o Mercosul resultou na Carta das Cidades. A proposta traz 137 sugestões para que ações sejam efetivadas nos países latino-americanos. Foram escolhidos nove temas para balizar ações políticas. São eles: saúde, diversidade, educação, gênero, turismo, ambiente, gestão, segurança e agricultura. Mais informações sobre a ABM podem ser obtidas no site http://www.abm.org.br.”

Anúncios

Livros para o desenvolvimento – Fapesc e Better World Books

dezembro 1, 2007

Uma visão para o desenvolvimento: se a população mais pobre tiver acesso à livros, aprenderão mais e eventualmente reduziremos a pobreza.
Aqui  no Brasil temos ações como esta:

“Fapesc distribui 15 mil livros em SC

A Fundação de Amparo à Pesquisa de Santa Catarina (Fapesc) está participando do Programa Livro Aberto do governo federal. Como parte das ações dessa iniciativa, a Fapesc vai distribuir, este ano, mais de 15 mil livros em todo o Estado. A meta é de que todos os 293 municípios catarinenses tenham uma biblioteca. Depois disso, o desafio será modernizar o acervo das demais” Fonte: Gestão C&T”

O esforço é louvável e merece aplausos, mas não chega a empolgar.

Compare com a Better World Books, um empreendimento social feito por três estudantes dos EUA.  O primeiro contato que tive foi quando precisei de um livro dificílimo de encontrar para a minha dissertação de mestrado.  Consegui por meio deles, que tem uma parceria com a amazon.  O serviço foi impressionante, chegou dentro do prazo estipulado e exatamente nas condições anunciadas.

A Better World Books vende livros usados e financia a alfabetização por meio das vendas.

Você pode enviar seus livros para ela que fará a venda, destinará uma parte para financiar programas de alfabetização e outra para a sua conta bancária.

No final das contas, todos saem ganhando!!!

Uma ONG que não usa dinheiro público, é auto sustentável, aposta em inovação e tem um impacto social de dar inveja à políticas públicas tradicionais


Um computador por criança na Nigéria

novembro 28, 2007

Esse é um primeiro resultado do projeto One Laptop per Children (OLPC). Claro que fotos de crianças com computadores e um artigo falando do projeto piloto na Nigéria não substitui uma boa pesquisa econômica de avaliação de resultados.

 

A idéia é muito boa. Produzir um laptop resistente (pois vai ser usado por crianças), com software grátis (doado pela microsoft ou linux) para reduzir a exclusão digital logo na fase escolar.

 

 

Como os recursos são escassos, vem a pergunta: o mesmo dinheiro seria melhor investido em qualificação dos professores, livros, construção de escolas, material escolar, transporte até a escola ou qualquer outro “insumo” da educação?

 

Acredito que possa ser melhor investido. Tenho medo que o computador seja roubado ou subaproveitado e vire sucata ou produto de escambo.

 

Mas mesmo assim, dificilmente outro projeto conseguiria ganhar a mídia e apoio da indústria como esse. A idéia é inovadora e faz sentido: por ser novidade, o laptop pode fazer com que a educação (estudar matemática por exemplo), se torne uma brincadeira

 

E todo o projeto tem seus riscos.

 

Uma gestão participativa, dando poder, responsabilidades e qualificação para a comunidade local (professores, família, funcionários – estou pensando em algo bem grassroot) pode fazer com que seja uma ação muito efetiva em prol da educação da próxima geração.


Game Over! Como a inovação se espalha por uma escola!

novembro 26, 2007

Game Over!

 

Sorry. You have spent all the time given for your innovation project. If you had eleven or more adopters you succeeded better than the average past player. If you had five to ten adopters, you still did better than many real-life change agents.

In any case, please don’t forget to visit the game log page to review your game strategy to see if you can articulate what tactics seemed to work and which did not. What advice might you give to future change agents?

He he he, esse joguinho me consumiu algum tempo ontem à noite.

Mas vale muito a pena, principalmente se você trabalha com a difusão de uma inovação dentro de uma organização.

Como é de se esperar, a chave para o sucesso é conhecer seu público alvo, saber quem influencia quem e quais são pessoas chaves que tem mais propensão para adotar uma inovação.

Não se engane, tem muito osso duro de roer lá!

Se você jogar, não se esqueça de colocar o resultado aqui para compararmos quem é o “lobby man”!!!


Repercusão: e-book ditados populares

novembro 26, 2007

Olha só que legal, via Shikida descobri que uma chamada sobre o e-book foi publicado na mídia de Pernambuco (matéria na integra aqui).


Orkut, msn, internet… uma praga em sua empresa?

novembro 18, 2007

Eis um problema de maximização para o dono de uma empresa: supondo que o custo de bloquear o acesso a sites como o orkut e serviços como o msn seja zero, ele deve bloquear ou permitir?

Se bloquear, pode evitar que funcionários “desperdicem” seu tempo em questões pequenas, nesses sites, ao invés de trabalhar.

Se permitir, esses instrumentos de TI podem ser usados para comunicar com fornecedores, clientes, obter informações relativas ao trabalho, insights para inovação, etc…

Segundo a AcellorMittal Belgo, deve-se bloquear:

“Entendemos que muitos empregados usam MSN e Orkut para tratar de assuntos pessoais. Isso não interessa à empresa. Pelo nosso tipo de produto e atuação em um mercado tradicional, não acreditamos que a inovação venha a partir dessa interação” (Gerente de tecnologia da ArcellorMittal)

Para a DM Produções, não:

“os funcionários conversam internamente, com clientes, fornecedores e com os produtores das bandas que participam does eventos Não há nenhum acesso proibido. Fazemos um trabalho de conscientização para que sejam usadas em favor da empresa… A internet facilita a comunicação. Recebemos imagens, uma música nova de uma banda” (Diretor de Marketing da DM)

Para a Prof. Maria Lúcia Goulart da Fundação Dom Cabral:

“poderiam ser criadas comunidades virtuais para uma escrita coletiva sobre os assuntos de interesse da organização. Em outras palavras, ela defende uma produção baseada na colaboração, ou seja, que ações e serviços possam ser feitas em conjunto, por diferentes profissionais.”

A matéria completa sobre esse assunto veio no caderno “emprego“, do Estado de Minas do dia 18 de Novembro.

A minha resposta para a pergunta lançada inicialmente é que depende.

Em termos gerais, acredito que o dono da empresa deverá permitir o acesso irrestrito ao orkut, msn, etc, se:

  1. A empresas tiver no conhecimento o seu maior patrimônio (consultorias, jornais, empresas de base tecnológica, etc).
  2. A empresa adotar um modelo de relacionamento por resultado com seus funcionários. Estes devem estar ciente de que obterão ganhos diretamente relacionados ao seu desempenho (ou da empresa).
  3. Finalmente, depende também do tipo de funcionários existentes na empresa e sua maturidade profissional e em termos de tecnologia de informação. O crime, lembre-se, nunca é da faca!!!

No Instituto Inovação, o uso desses instrumentos é livre e a comunicação entre os membros da equipe utiliza o msn sempre que necessário. Existem documentos compartilhados no google docs que são construidos coletivamente. Tudo funciona perfeitamente bem. Reflexo, sem dúvida, do tipo de empresa, de relacionamento empresa x funcionários e das pessoas que trabalham lá dentro!


Novos links adicionados

novembro 13, 2007

Links de economia: des gustibus, selva brasilis e opinião do Adolfo Sachsida

Link do Buzz Machine, o mesmo de onde veio o artigo do post abaixo. O blog trata de mídia interativa. Entrei nas seguintes páginas e o conteúdo é muito bom!!! Fica aí na lista de links até que alguém prove o contrário !

New Rule: Cover what you do better, link to the rest! –> Sobre uma tendência identificada pelo autor na qual seria mais produtivo se os agentes de mídia fizessem somente o que é de sua máxima expertise e linkassem o resto (e aí teriam também que ser bons para linkar com a coisa certa!)

Newspaper in 2020 –> Como será o jornal em 2020? Será que o modelo de criar redes de notícias ao invés de conteúdo irá se confirmar? Como ficará a questão do lucro das empresas se elas não poderão mais vender jornal impresso?

Aproveitando o ensejo, também adicionei conteúdo nas páginas de CV e artigos. Juro que atualizo a de livros nesse feriado!